domingo, 8 de agosto de 2010

Trem

eu viajei. viajei com um número grande de pessoas levando nas malas certa dosagem de poesia. eu viajei com alguns que já foram meus, com alguns que ainda o são e com outros que pouco fazem de mim. viajei e na estrada pensei sobre muitas coisas. pensei sobre a gente, sobre o ato de viajar, sobre o ato de amar e, principalmente, pensei sobre o ato de levar. estávamos ali para oferecer, viajamos para doar ao outro o que em outro tempo criamos. mas não sei. não sei se o diálogo se deu, na verdade, ainda não sei a forma certa como ele se dá ou não. bom, fui para trocar e voltei com carinho, saudade, novos colegas, novas lembranças, cheiros e mais conhecimento. mas o que deixamos? o que as pessoas que lá ficaram ganharam? eu não sei... foi tudo tão rápido que a gente fica assim: com essa sensação do não saber. fomos, guerreiros que somos, nos violentamos, expomos de forma brutal o que em alguns grita alto, muito alto. mas depois não tivemos tempo de dividir o debate, não tivemos tempo de saber um pouco da outra parte. eu não sei quanro vale uma moeda de um lado só. muito ou pouco dinheiro? escrevemos para o outro e para nós mesmos, mas acredito que quando o outro comenta é que a escrita se faz, nasce...comunica. eu não sei...talvez, esteja apresentando aqui mais uma visão equivocada sobre a sobrevivência da comunicação... mas é que eu precisava muito falar sobre isso. aqui, na nossa casa. aqui onde não preciso de travas na língua!

5 comentários:

Clara disse...

às vezes eu acho que eu escreveria frases como essas. tem alguma coisa de mim aí que eu não sei.
talvez sejam os pensamentos ininterruptos, as questões que viram poesias e as poesias que viram questões.

diogo disse...

bom... por um segundo eu acho que você está pedindo que a gente se comente. e eu devo dizer, se vc não estiver pedindo por isso, me avise... porque eu posso pedir por todos nós.

Isadora Malta disse...

que bom ler isso aqui.

estou me penando e quero me comentar com você, com vocês, pra vocês e para os outros.

assim deve ser.

Caio Riscado disse...

eu estou pedindo.

Caio Riscado disse...

eu estou pedindo.